Como vivem os 350 milhões de fieis de Jesus que sofrem perseguição ou discriminação

DO JORNAL LA VANGUARDIA

Nos primeiros tempos de suas novas vidas em países ocidentais, eles se extasiavam diante das igrejas abertas e iam à missa todos os dias, mais de uma vez, para recuperar o tempo perdido. Milhares de cristãos, tanto católicos como evangélicos e ortodoxos, abandonaram nos últimos anos seus países de origem, alguns deles muçulmanos, onde a radicalização do Islã consolidou uma perseguição religiosa. Outros tantos ficaram por falta de recursos econômicos para emigrar, por convicção religiosa ou porque trata-se de seu país. É difícil precisar os números da repressão, devido à falta de democracia, às deficiências do Estado e a falta de transparência nas informações dos países em questão. Contudo, segundo o Informe de Liberdade Religiosa no Mundo de 2010 – elaborado todos os anos pela Ajuda à Igreja Necessitada (AIN), associação internacional vinculada à Santa Sé -, cerca de 350 milhões de cristãos sofrem perseguição ou discriminação no mundo, desses, 200 milhões enfrentam perigo de morte. Um terço da população do planeta é cristã: 2,1 bilhões de fiéis, dos quais 1,18 bilhão são católicos.

“Nos lugares onde não há liberdade religiosa, tampouco há liberdade democrática”, alerta Javier Menéndez Ros, diretor da AIN-Espanha, que durante a recente Jornada Mundial da Juventude de Madri com o Papa organizou na capital uma exposição fotográfica sobre os cristãos perseguidos. Em uma semana, a exposição recebeu um público de 8 mil pessoas. As massas de jovens católicos que tomaram Madri em agosto constituem uma imagem de normalidade inconcebível em outros lugares do planeta. Os cristãos do Iraque o sabem bem. “Durante a ditadura de Sadam Hussein, os cristãos não eram cidadãos de primeira classe, mas não eram perseguidos – explica Raad Salam, iraquiano nacionalizado espanhol, que vive na Espanha há quase vinte anos depois de escapar do regime de Sadam.

Desde a guerra de 2003, que levou os xiitas ao governo, o radicalismo islâmico persegue cada vez mais os cristãos”. Para Salam, recordar os europeus do risco que os cristãos enfrentam em alguns países é um imperativo moral, porque “a sociedade ocidental parece não se dar conta, está adormecida, só reage quando há muitos mortos”. Contudo, houve uma conscientização a respeito do tema depois das matanças no Iraque, dos ataques a igrejas cópticas no Egito, e dos assassinatos de políticos cristãos paquistaneses que defenderam Asia Bibi, católica condenada pela lei da blasfêmia. Nesses países, os cristãos – embora tenham presença histórica há séculos – são percebidos como “amigos do Ocidente”, o que os transforma em suspeitos.

Este preconceito castiga especialmente os evangélicos, que estão mais relacionados com os Estados Unidos – potência detestada por muitos regimes muçulmanos – do que os católicos. Em muitas ocasiões, a integridade física não corre perigo, mas as perspectivas de vida dos fieis são prejudicadas porque a lei cria mecanismos opressores: o cristão não pode prestar concurso ou exercer certas profissões, o clero é assediado, a circulação de Bíblias é proibida, e não se pode abrir escolas e seminários. Em países muçulmanos onde o cristianismo é tolerado, a prática da fé implica complicações, como relata A.A. (iniciais fictícias), convertido ao catolicismo, na Argélia. “O cristão argelino deve ir sempre à mesma igreja para ser reconhecido pela comunidade; é comum que o sacerdote acolha os fieis na porta para reconhecê-los, pois há um verdadeiro temor de que entrem pessoas estranhas”, explica. Não é raro que a polícia pare pessoas com características físicas de argelinos para perguntar porque estão entrando ali e se são cristãs; “é uma vigilância policial que incomoda os argelinos e os desanima de ir à igreja por medo de represálias; em geral, os europeus e outros estrangeiros não são alvo desse interrogatório”.

A missa dominical na Argélia acontece às seis da tarde, pois o domingo do mundo islâmico é dia de trabalho; e às sextas-feiras costumam acontecer às dez ou às onze da manhã. “Essa missa é muito mais frequentada porque a sexta-feira é dia de folga – esclarece A.A. -, mas muitos não podem comparecer porque os lugares de culto ficam distantes de suas casas (há pessoas que viajam 60 a 70 quilômetros para ir à missa) e porque há menos transporte público por ser dia de folga.” Mas o mais difícil é o contexto social e familiar: “as obrigações familiares do fim de semana numa sociedade onde a vida social é muito invasiva podem impedir os fieis de ir à missa, sobretudo aqueles que vivem sua fé de forma escondida. A ausência de uma pessoa todas as sextas-feiras, dia de culto para os muçulmanos, pode suscitar perguntas nas famílias e levantar suspeitas”. O convertido vive em terreno delicado.

Geografia da intransigência

Saber quais países são os mais perigosos para os cristãos é complexo. O informe da Ajuda à Igreja Necessitada (AIN) de 2010 analisa 194 países, detecta problemas em 90 e assinala graves violações à liberdade religiosa – dos crentes de todas as religiões, mas com atenção especial para os cristãos – na Arábia Saudita, Bangladesh, Egito, Índia, China, Uzbequistão, Eritreia, Nigéria, Vietnã, Iêmen e Coreia do Norte, mas sem estabelecer uma hierarquia entre eles. A associação cristã internacional Open Doors elabora uma lista anual de países onde os cristãos sofrem perseguição e os classifica por ordem de periculosidade. Os cinco que seguem são: Paquistão, Eritreia, Mauritânia, Butão e Turcomenistão. O Departamento de Estado dos Estados Unidos também publica um informe anual sobre liberdade religiosa que analisa a perseguição e a discriminação contra fieis de todas as religiões, não só a cristã, mas sem fazer uma classificação. Seu informe de 2010 destaca vulnerabilidades nos seguintes países: Afeganistão, Arábia Saudita, Birmânia, China, Coreia do Norte, Cuba, Egito, Eritreia, Indonésia, Irã, Iraque, Quênia, Laos, Malásia, Maldivas, Marrocos, Nepal, Nigéria, Paquistão, Rússia, Somália, Sudão, Tadjiquistão, Turcomenistão, Uzbequistão, Venezuela e Vietnã.

Raad Salam, caldeu iraquiano, mora na Espanha há vinte anos

“Os caldeus viviam no Iraque antes da chegada do Islã”

Raad Salam chegou à Espanha em 1992, com status de refugiado político segundo a ONU, depois de ter sido sentenciado à morte por Sadam Hussein e de ter fugido do Iraque. “Não me prenderam por ser cristão; condenaram-me por ser pacifista subversivo, eu escrevia artigos, promovia atos de protesto”, explica Raad Salam, que por causa da mobilização geral de recrutas teve que participar da guerra contra o Irã (1980-88) e da primeira Guerra do Golfo (1991). Conseguiu fugir da prisão porque seu pai subornou os carcereiros. Como refugiado, passou pela Espanha a caminho dos Estados Unidos, mas por fim se instalou no primeiro país.

Solteiro, com 51 anos, Raad Salam mora em Cobenha, uma localidade próxima a Madri. Em seu país, ele havia se formado em Economia e Estudos Árabes e Islâmicos, e fez doutorado em Filologia Árabe e História do Islã na Universidade Complutense de Madri. Ele é caldeu por nascimento (a igreja caldeia, antiquíssima, obedece ao Papa), e em outubro viajará ao norte do Iraque para convencer os cristãos iraquianos de que não fujam para o exterior. “Sei que é egoísta, porque eu sofri em meu país, fui sequestrado e condenado, ainda que por outros motivos, mas agora estou a salvo na Espanha, e peço que eles fiquem”, disse.

Assassinatos e ataques a igrejas aumentaram desde a guerra. Na época de Sadam, havia 1,5 milhão de cristãos no país – entre siríacos, caldeus e ortodoxos – e se calcula que ainda existam entre 300 mil e 500 mil. Os que fogem buscam um lugar seguro na Europa, Estados Unidos ou Austrália. Salam também sente a dor da perda cultural que o êxodo implica. “Os caldeus têm uma história antiga, estamos na Mesopotâmia desde o século 1, somos da Igreja de São Tomás de Aquino, o Islã chegou depois, e não temos porque sair de nossa terra”, diz. Os caldeus falam aramaico, mas “a segunda geração que está sendo criada na França ou na Alemanha já não conhece o idioma”, lamenta. Embora o Islã proíba o consumo de álcool, ele era tolerado na época de Sadam; como não precisavam obedecer este preceito, os cristão costumavam vender álcool. “Começaram os ataques às lojas e as ameaças”, diz Salam, cuja família se dedicava ao ramo.

Paul, convertido argelino, agora mora em Paris

“A internet e as redes sociais permitem que nos sintamos menos isolados”

Para um convertido, a internet é uma grande ferramenta. “Eu a uso; a internet foi muito importante no meu caminho – explica Paul, argelino residente na França, que se converteu ao catolicismo – porque permite escapar da rigidez familiar muçulmana e consultar outras fontes, fazer-se perguntas”. Ao se converter, escolheu se chamar Paul por causa de São Paulo, o apóstolo dos gentis: “com ele, percebe-se ainda mais o quanto Cristo sofreu por todos os homens, seja qual for sua raça ou sua condição geográfica”. Por e-mail desde Paris, Paul – que prefere não revelar seu sobrenome – elogia a internet para quem se inicia em sua nova fé.

“Ela permite entrar em contato com cristãos que podem nos acompanhar em nosso caminho”, escreveu. “Uma das primeiras coisas que fiz depois de minha conversão foi teclar no Google: ‘muçulmanos convertidos ao cristianismo’ para ver se outras pessoas viviam a mesma situação que eu”. E insiste: “quando algum muçulmano se converte, começa sempre por ficar sozinho e sofrer com o isolamento. A internet e as redes sociais permitem que nos sintamos menos isolados”. Na foto, Paul – com o rosto pixelado – recebe a saudação do cardeal André XXIII, arcebispo de Paris. Um amigo seu, também convertido, que viajou a Madri em agosto para uma palestra de Ajuda à Igreja Necessitada, explica que ficou impressionado com a pergunta de um assistente sobre uma menina muçulmana escolarizada junto com seu filho, que foi tirada da escola quando se interessou pelo cristianismo. Ele diz que respondeu que “todo cristão deve abrir seu coração e sua casa a toda pessoa de outra religião e não deve duvidar em compartilhar sua fé com essa pessoa”.

A.A., argelino convertido que vive na Argélia

“O convertido é visto como um traidor”

Argelino e convertido, como mora na Argélia prefere não revelar seu nome; assim o chamaremos de A.A.. Ele respondeu por e-mail desde seu país sobre a diferença de tratamento entre o cristão de origem e o convertido. “A situação não é fácil para nenhum dos dois num mundo onde a fé cristã é considerada blasfêmia”- relata. “O convertido procedente do Islã mudou de religião, o que faz com que seja visto como um traidor aos olhos da comunidade. Um convertido nascido numa família laica talvez tenha menos dificuldades porque a família pode tolerar sua conversão. Mas a sociedade (amigos, colegas de trabalho, conhecidos…) é hostil ao fato de que o muçulmano traia o Islã para abraçar outra religião. Um convertido nascido numa família muçulmana muito praticante se encontra numa situação mais difícil, que um cristão nascido numa família cristão não é capaz de entender”.

Entre os obstáculos que enfrenta, está “o risco de perseguições morais e físicas”. Assim, “é obrigado a viver sua fé às escondidas sob pena de ser rejeitado por sua família, o que equivale à morte social” – escreve. “O convertido faz perguntas que o cristão de origem (uma minoria mais ou menos aceita) não faz: ‘como fazer para viver, casar e morrer de modo cristão às escondidas ou perseguido?”. Além disso, é mais difícil se integrar a uma paróquia. “O cristão nascido em família cristã não têm problemas para ser acolhido na Igreja e na comunidade cristã – esclarece -, enquanto que os convertidos são acolhidos com muita prudência pelas igrejas locais, por causa dos problemas ligados à segurança e às perseguições.” O convertido que foi à palestra em Madri acrescenta que “a influência e a intimidação das famílias do entorno muçulmano” são um obstáculo à opção individual de mudar de religião.

Tradução: Eloise De Vylder

______________

OBS: Lógico que a matéria exagera. Não devem existir 350 milhões de pessoas realmente fiéis a Cristo no mundo mulçumano. Muito provavelmente não há isso nem no ocidente!

About these ads
Esse post foi publicado em Perseguição aos Cristãos. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s