Quando os Reis vão à Guerra

Clique AQUI para a Página-Raiz. Esse post é parte de um estudo maior.

Comentário ao estudo da lição

Verso para memorizar: “Ouvi, agora, Minhas palavras; se entre vós há profeta, Eu, o Senhor, em visão a ele, Me faço conhecer ou falo com ele em sonhos” Num. 12:6).

1. Introdução – santo sábado, dia do Senhor

Daniel recebera de DEUS a revelação de que haveria guerra até o fim. Nos capítulos 10 e 11 DEUS revela a Daniel esboços da guerras, entre o norte e o sul, desde os seus dias até os nossos dias. Trata-se de uma breve resenha do futuro (em relação a Daniel), de que não haveria paz no planeta enquanto JESUS não retornasse. Destaca nessas guerras a tendência por influências e motivos religiosos. Essa tendência seria mais acentuada de um determinado tempo em diante, ou seja, após a queda do Império Romano. as guerras se moveriam sempre numa única direção: atacar DEUS e Seu povo, e tentar eliminar a verdadeira adoração. Mas, paralelamente, como aqui é o império de satanás, também haveria guerras entre os poderes de satanás, pelos mais diferentes motivos.

2. Primeiro dia: Daniel em visão Dan. 10:1-)

No capítulo dez de Daniel relata-se outra visão. Ela trata do contexto político-religioso que antecede as guerras entre reinos do norte e o do sul. No estudo de hoje veremos algo sobre o estado físico de Daniel no momento em que estava recebendo a visão. Vejamos em forma de itens o que aconteceu.

ð A visão foi no terceiro ano de Ciro, portanto, no ano 535 aC. Ele recebeu a visão e a sua inteligência (significado);

ð Naqueles dias o povo de Israel passava por aflições na Palestina, pela forte oposição por parte dos Samaritanos, e Daniel sofria por esse motivo, a ponto de não se alimentar com nada que fosse especial, só alimento bem simples;

ð Ele pranteou por três semanas;

ð Então, à bordo do rio Tigre, viu um homem grande e de aparência impressionante;

ð A voz do homem era como de um trovão;

ð Só Daniel teve a visão, os homens que estavam com ele nada viram;

ð Mas caiu sobre eles grande temor, fugiram e se esconderam;

ð Não restou força em Daniel;

ð O seu rosto mudou de cor e se desfigurou;

ð Ele deixou de respirar, mas continuava vivo;

ð Ouvindo a voz, Daniel caiu sem sentido com o rosto no chão.

Os últimos quatro itens descrevem como fica um profeta ao receber uma visão de DEUS. Isso é um conjunto de itens que demonstram que a mensagem é sobre-natural. Os médiuns espíritas também ficam em estado alterado, pelo que se pode facilmente concluir que eles também estão nesses momentos recebendo mensagens de seres não humanos. Para se saber a origem dessas mensagens, basta consultar a Bíblia, em Isaías 8:20: “À lei e ao testemunho! Se eles não falarem desta maneira, jamais verão a alva.” Ou seja, a ligação de um ser não humano, seja DEUS, seja satanás, em ocasiões especiais, é dada por meio de manifestações não naturais.

Já presenciei a possessão de uma pessoa pelo demônio, é algo incrível, um espetáculo horrível, que espero não mais ter que ver. Se fosse possível, desejaria a ninguém mais tivesse que passar por essa situação, de ser dominado por um demônio. Mas é algo sobre-natural. As mensagens vindas para médiuns também são sobre-naturais. Então como distinguir sua origem? É pelo verso acima citado, se essas pessoas não falam inteiramente conforme os escritos na Bíblia, cuja origem é DEUS, que não haja dúvidas, as mensagens não vem de DEUS. O DEUS que inspirou a Bíblia não mandaria, nem mensagens conflitantes com esse livro, nem mandaria Suas mensagens por pessoas que não concordam inteiramente com o Seu livro. Isso é evidente!

3. Segunda-feira: Os últimos dias (Dan. 10:14)

Solenes palavras são essas “últimos dias”. Na Bíblia, últimos dias podem ser os dias da vida de uma pessoa, de um tempo profético determinado, de uma nação ou povo, de um período da história, de um período profético, ou, da história da humanidade. Na Nova Terra não se poderá usar essa expressão para o futuro, pois lá não haverá últimos dias.

Nós, hoje, vivemos nos últimos dias que vão além da cronologia dos tempos proféticos. Esses são os dias a mais após 1844, quando terminou a última data em termos de profecia de tempos específicos. Veja que o tempo do fim se iniciou em 1798, quando o papa recebeu a ferida mortal, permitindo-se assim pregar a mensagem da Bíblia livremente, e em 1844 terminam todas as datas proféticas. Portanto, em algum tempo depois dessa última data, o fim deveria vir, e JESUS já poderia ter retornado até no século IXX. Desde 1844 os fatos não tem mais tempo determinado para acontecerem, mas eles estão atrelados, ao menos em grande parte, ao que o ser humano faz por aqui. O fim depende da pregação da igreja de DEUS a todos os povos, por exemplo. Depende também de como o ser humano realiza o que está previsto nas profecias. Os fatos irão acontecer, isso é certo, mas quanto tempo levarão para acontecer, isso não está determinado profeticamente.

Por nosso tempo não ter mais datas para que grandes fatos aconteçam, mais solene ainda ele se torna. Acontece que, pela faculdade do livre arbítrio, todos os seres humanos devem chegar a uma situação bem específica, todos deverão estar definidos em sua decisão, se servem a DEUS o se querem continuar escravos de satanás. Essa questão é tão importante que dela depende a opção pela vida eterna ou pela morte eterna. Como isso, para DEUS é por demais importante, não há tempo definido para que Seus filhos afinal se decidam. Ele vai esperar o quanto for necessário para que todos aqueles que ainda estiverem vivos, decidam o que querem com suas vidas. Estar vivo significa estar em condições de decidir pela vida ou pela morte. Depois que uma pessoa morre, o que decidiu em vida torna-se definitivo, então nem mesmo DEUS pode alterar seu destino. Mas, os que ainda estão vivos, para estes ainda há esperança, e por eles DEUS espera o tempo que for necessário, pois quer vê-los vivos sempre. Com que tristeza DEUS vê muitas mortes que selaram seu destino para a morte eterna, simplesmente rejeitando o amor de JESUS demonstrado na cruz.

Hoje estamos nos últimos dias de tudo, tanto da vida de muitas pessoas, das nações, como da história da humanidade. E estamos no fim dos últimos dias. Quantos anos ainda restam não sabemos, mas uma coisa é certa: os dias finas são os que hoje vivemos. Sempre repetimos: é um privilégio viver nesses dias. Neles os mais emocionantes acontecimentos providenciados pelo Céu irão acontecer, e nós os poderemos ver ao vivo e deles participar. Já que o pecado aconteceu, damos sempre graças a DEUS por termos o privilégio de nascer nessa época da história. Poderemos ver JESUS voltar!

4. Terça-feira: O grande conflito

Enquanto a lição dá o enfoque do livre-arbítrio, daremos aqui o enfoque político ao estudo de hoje. Os dois enfoques são importantes, e, sendo complementares, deixaremos o do livre arbítrio para a matéria já incluída na lição, e continuaremos no enfoque político e histórico, que é o campo de batalha das profecias.

Mas uma palavra sobre o livre-arbítrio será incluída. DEUS nos fez inteligentes, capazes de aprendermos suas leis e de as obedecermos por livre vontade. Essa condição é essencial para sermos semelhantes a DEUS, temos o direito de escolha, e foi DEUS que nos deu esse direito, e Ele nunca no-lo vai tirar. satanás, porém, trabalha de outra maneira, ele manipula as mentes, engana, força, impõe, cria condições em que só há uma escolha, etc. Mas DEUS ensina por diversos meios, e espera que façamos nossas escolhas. O rei da Pérsia, no tempo de Daniel estava diante de uma escolha: ver o que fazer com o povo judeu que estava exilado. E houve debates sobre esse assunto, esse foi o contexto da batalha na mente do príncipe da Pérssia.

O que deve ter acontecido ali, nesse campo de batalha. Não há mais relatos práticos, da realidade dos fatos, mas sabemos como funcionam as decisões reais. Por certo o rei da Pérsia, Ciro, estava tratando sobre questões do povo de DEUS, afinal, em seu império estava esse povo exilado, e não era conveniente que ficasse assim para sempre. Essa era uma questão de estado, que precisava ser resolvida, e Ciro precisava tomar decisões. Ciro já havia decretado a reconstrução do templo, mas assim que a obra iniciou, também se levantou a oposição (ver Esdras 1:1-4; 5:13 e 17; 6:3 e 14). A visão de Daniel 10 ocorreu no terceiro ano de Ciro, e o decreto da reconstrução foi emitido no primeiro ano. Portanto, lá em Jerusalém estavam os servos de DEUS sofrendo forte oposição, e no palácio do rei por certo esse assunto estava fervilhando. Os inimigos do povo de DEUS agiam em todas as frentes, o objetivo era um só: interromper a reconstrução do templo. Foi em situação penosa que eles estavam fazendo o trabalho, a para que realmente fosse concluído foram necessários, não um, mas três decretos, um mais forte que o outro. DEUS estava dirigindo, mas satanás estava em intensa ação. E o assunto devia ser tratado dentro das condições do livre-arbítrio.

Como é de costume, esse assunto deveria estar sendo motivo de debates entre os conselheiros do rei Ciro, para saber o que fazer e como. É possível que nesses debates houvesse a participação de anjos de DEUS e anjos de satanás. DEUS limitou a ação dos anjos de satanás, e o próprio satanás, para que não pudessem agir mais que o exigido pelo respeito ao livre-arbítrio.

As questões dos servos de DEUS estão, hoje, em muitos conselhos de governo sendo a cada pouco motivo de debates. Não sabemos hoje o que se passa nessas reuniões, que via de regra, são secretas. Temos algumas notícias de reuniões em torno do decreto dominical, no tempo do presidente Bill Clinton, mas eles não prosperaram, esse presidente resistiu a tal decreto. Hoje os anjos estão lutando como com Ciro, para que decisões que sabemos que virão, não venham, porém, antes do momento oportuno. Que tipo de lutas devem estar ocorrendo, por exemplo, no Vaticano, em na Casa Branca? Em breve saberemos, quando JESUS voltar, isso tudo nos será revelado, como toda a história aconteceu.

Então, após Daniel estar preocupado com os fatos, ele por certo sabia algo sobre os dilemas de Ciro, havia estado em profunda preocupação durante três semanas, o anjo veio falar com ele. Disse-lhe que ficasse mais tranqüilo, pois ele estava lá, com Ciro, cuidando dos interesses do povo de DEUS. Disse que havia resistência por parte de satanás, mas também disse que o próprio CRISTO viera para lhe auxiliar. Como o Céu nos tem em alta conta! Falou mais, que continuaria no palácio dos persas, lutando para que Ciro não tomasse decisões prejudiciais contra o povo de DEUS.

Então, no capítulo 11, depois de consolar Daniel com as palavras “mui amado” – e quem não gostaria de ouvir tais palavras da parte de um mensageiro do trono do Universo, ser amado pelo rei do Universo – o anjo continua. Revela, de forma bem sucinta que vai haver guerras e mais guerras, entre os reis do norte e do sul. Esses reis não são sempre os mesmos, mudam conforme o tempo passa, mas na revelação são sempre chamados reis do norte e do sul. Para identificarmos quais são eles, ou seja, a que países se referem, devemos recorrer à sucessão da história – a profecia é a chave da história, e ambas se encaixam, possibilitando revelação dos motivos das guerras.

5. Quarta-feira: Os reis do Norte e do Sul (Dan. 11:1-28)

Continuando o comentário de ontem, agora o anjos revelam lutas entre o rei do Norte e rei do Sul, mas não dá o nome de que nações são. Os adventistas tem uma interpretação mais aceita para quem eles são, isso apresentamos no estudo da próxima semana, de domingo.

É importante destacar alguns aspectos que essa profecia inclui, pela forma como está escrita:

ð Sempre haveria uma situação conflitiva entre o norte e o sul, como claramente vemos também em nossos dias – o primeiro mundo, rico e protestante, fica no hemisfério norte, o terceiro mundo, pobre e católico, no hemisfério sul, isso em geral, mas, na Europa, por exemplo, as nações ricas e protestantes ficam ao norte e as mais pobres ao sul;

ð Mas no final, a luta seria entre o oriente e o ocidente, isto é, na batalha do Armagedon, com o secamento do rio Eufrates para que venham os reis do Oriente;

ð A luta abrangeria, portanto, os quatro pontos cardeais do planeta, envolvendo a todos, até o último ser humano vivo;

ð Nessas batalhas, entre o norte e o sul, o povo de DEUS seria atingido de diferentes formas, inclusive o Ungido, JESUS, que foi pregado na cruz pelo poder de um rei do norte, Roma;

ð Norte e sul sempre é em relação aos reinos que estão em conflito, segundo a sua posição geográfica;

Em Daniel 11, como veremos melhor no comentário da próxima semana, dos versos 1 ao 14 se sucedem os reinos do norte e do sul em guerra, na seguinte seqüência: Pérsia (v. 1 e 2); Grécia (v. 3 e 4); Egito (v. 5 – rei do sul); Síria (v. 6 – rei do norte); Egito (v. 7); Síria (v. 9 e 10); Egito (v. 11 e 12); Síria (v. 13).

Do verso 14 em diante, o rei do norte passa a ser Roma, pois os atos conferem com esse império. O homem vil que se levantará (v. 21) é Tibério César, e nesse tempo JESUS, o príncipe da aliança, estará na Terra, e será morto pelo rei do norte que agora é Roma.

6. Quinta-feira: A abominação desoladora (Dan. 11:31)

O capítulo 11 apresenta, de forma bem esquemática, uma sucessão de lutas pelo poder. Destaque-se o motivo das lutas: busca de poder! Era o que satanás sempre quis: poder para dominar, e ser como DEUS. Nessa sucessão dos impérios, no capítulo 11, do verso 31 em diante vemos a ação da cúria romana e seu papa. Veja que no verso anterior o império romano estava sendo atacado pelos navios de Quitim. Isso parece ser uma figura de linguagem, que pode referir-se aos bárbaros que desde antes de CRISTO já atacavam o Império Romano, mas que do século III em diante o faziam de forma tão acentuada que enfraqueceram esse império. Ao mesmo tempo, o império se indignava contra a santa aliança, como diz o mesmo verso 30, isso devem ser as perseguições que o Império Romano fazia contra o cristianismo.

Então, no verso 31 diz que dele, isto é, do Império Romano, sairão forças que profanarão o santuário. Essas forças são o sistema religioso que se formava em Roma, dominado por uma cúria de bispos e por um bispo geral, o papa. Essas forças, ou tropas (bíblia de Jerusalém) iriam abolir o sacrifício perpétuo e introduziriam a abominação assoladora. Isso quer dizer o seguinte: abolir o sacrifício perpétuo é anular, aqui na Terra, os efeitos eternos da morte de JESUS, pela qual Ele está realizando Seu sacerdócio no santuário celeste. Ou seja, na Terra esse sacrifício de CRISTO não teria mais valor, pois foi substituído por uma “abominação assoladora” a missa com sua eucaristia, onde se simula cada vez a morte daquele que morreu uma vez por todas.

E no verso 32 diz que os que transgridem a aliança, isto é, os sacerdotes que se ocupam dessa abominação assoladora, seriam pervertidos com lisonjas. Isso também é verdade, pois os altos prelados são até hoje tidos nas mais elevadas categorias de títulos, de santidade, de proteção legal, de regalias e honrarias como rei nenhum teve ao longo da história.

Uma palavra ainda devemos destacar: a abominação seria “assoladora”, isto é, seus efeitos seriam devastadores. Para ter uma idéia da devastação do efeito da missa, bastam alguns poucos números. Quantos cristãos hoje, enganados, santificam o domingo? Mais ou menos 1,5 bilhão! Quantos cristãos, hoje, santificam o sábado da Bíblia? Mais ou menos uns 50 milhões, contado todas as igrejas jutas incluindo ainda os judeus. Quantos compõe a igreja remanescente: em torno de 15 milhões. Desses, quantos já fizeram verdadeiramente a reforma do sábado e da saúde? Não sabemos, mas é uma gotinha de gente. Os demais, a abominação assoladora dominou! Ela domina, hoje, pelas forças da imoralidade, da idolatria e, principalmente, pelo mundanismo, que tem as portas abertas para entrar em todas as igrejas, inclusive a igreja onde está o grupo dos remanescentes de DEUS.

Essas coisas seriam colocadas em lugar do sacrifício diário, hoje não mais sendo feito no altar em Jerusalém, mas acontecendo no santuário celeste. Lá não são mortos cordeiros, nem JESUS está sendo sacrificado, mas Ele está realizando o trabalho de um sacerdote que adquiriu o direito a essa atividade pela morte na cruz, isto sim, ocorrido na terra. Esse sistema pode salvar as pessoas, pois se elas se achegarem ao sacerdote que morreu por elas, Ele as perdoará, foi por esse motivo que permitiu ser morto! Então, satanás, que não quer que as pessoas sejam salvas, criou um sistema alternativo de culto, de certa forma parecido com o verdadeiro, muito solene, mas totalmente falso. A igreja que realiza esses rituais até se denomina como igreja cristã, até usa em seu nome os apóstolos, e essa fachada é poderosa, por ela muitos milhões de pessoas pensam serem cristãs, quando não são, pois não seguem o que CRISTO disse. Repetimos o que já afirmamos em comentários anteriores, e o fazemos com a coragem de quem diz uma verdade histórica – essa igreja deveria ter o seguinte nome: Igreja Católica Platônica Romana, ou, Igreja Católica Patrística Romana. Nunca poderia usar no nome que hoje utiliza, “apostólica”, pois nega o que os apóstolos escreveram na Bíblia, distorce esses escritos com base nas vãs filosofias dos filósofos gregos, em especial, de Platão. Essa é a base da abominação assoladora. Para quem deseja entender essa história, o processo de construção da grande apostasia da Idade Média, estude sobre a “Patrística”, insistimos nesse ponto. Quem quer ter poderosos argumentos para melhor explicar as Escrituras nesses dias finais, faça antes esse estudo. Já disponibilizamos e o fazemos outra vez (muitos já o pediram), podem nos solicitar por e-mail o estudo que fizemos com o título “Patrística” e o enviaremos, sem despesa, pela internet.

7. Aplicação do estudo – Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:

Nessa semana estudamos um capítulo de Daniel, o 11, no qual há muitos pontos obscuros. Na próxima semana ainda teremos oportunidade de estudar esse capítulo, e também o 12. Esses pontos obscuros não são importantes no sentido de nossa salvação, mas estão lá para que vasculhemos a história e nos aprofundemos no estudo dos fatos dessa história de forma paralela à profecia. Isso foi proposital, como tudo na Bíblia. Precisamos de profundos conhecimentos de história para melhor entendermos as profecias. É na história que as profecias tomam sentido, e é pelo estudo da história que ganhamos sabedoria e conhecimento para desvendar os meandros das profecias, e principalmente entender os dias atuais, por que são assim. Aqueles que desejarem resumos bem elaborados sobre história, podem pedir por e-mail, e os enviaremos pela internet, sem custo. São esquemas feitos para estudo pessoal, mas, que devido a urgência do tempo, os disponibilizamos a quem os queira utilizar em seu trabalho pela salvação de pessoas ao Reino de DEUS e de seu amor. Peça assim: “resumos de história” e saberemos do que se trata (é que todos os dias recebemos e-mails de alguém solicitando alguma coisa, e nem sempre temos competência para ajudar).

Vemos também no capitulo 11 de Daniel a ação de DEUS. As coisas aqui na Terra seguem no sentido previsto. E DEUS sabia de tudo, e nos revelou, pelo que também sabemos ao menos o mais importante, o suficiente para nos posicionarmos, ou pela salvação, ou pela morte. Podemos fazer isso conscientemente, sem a menor dúvida do que irá acontecer. Podemos tomar decisões com absoluta certeza das repercussões dessas decisões em nossas vidas.

Os relatos de Daniel 11, assim como os anteriores, nos revelam que os impérios se sucederiam de uma forma intrigante, mas bem lógica: iriam de um sistema político dominante para um sistema religioso dominante, e que no final, o sistema religioso seria o poder máximo, pelo seu retorno. Portanto, os 1.260 anos, bem reais, em relação do que acontecerá no fim de uso de truculência e violência, quando os EUA derem de volta o fôlego à primeira besta, aquele longo período não terá sido outra coisa senão um extenso e profundo e bem real ensaio, que agora será aplicado com o ímpeto de erradicar da terra os adoradores ao Criador. É então que Ele se levanta (isso estudaremos em Daniel 12:1).

Professor Sikberto R. Marks

Escrito entre: 11/11/2004 a 15/11/2004

Revisado em: 15/11/2004

Esse post foi publicado em Comentários de Sikberto R. Marks, Primeira Besta: Papado e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Quando os Reis vão à Guerra

  1. Doralice Margarida da Silva disse:

    Bom dia seria possivel ter um resumo de historia de Daniel 11 fazendo um paralelo com Apocalipse para entender o tempo do fim, estou estudando os 2 livros.
    agradeceria se possivel tiver este resumo

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s