O Juízo Pré-Advento do Santuário Celestial

Clique Aqui para a Página Principal

Jesus Santuário Celeste

Hebreus 8:1-2, 9:11 e 24, declara que Jesus entrou no Santuário Celeste como nosso advogado e intercessor. Veja antes as páginas: O Santuário Terrestre e O Santuário Celestial. A Bíblia também nos ensina que no dia 22 de Outubro de 1844, Jesus começou o julgamento dos humanos neste Santuário. Como descobrimos isso?


O juízo universal

No livro do Apocalipse encontramos o anúncio de um juízo. Um juízo universal e de conseqüências eternas. Um dia Lúcifer disse que estava certo e Deus, errado. O Criador deu-lhe o tempo necessário para provar a validade de suas acusações e para esclarecer qualquer dúvida na mente das criaturas. Mas, finalmente, chega o dia em que todas as acusações e seus resultados devem ser julgados.

No capítulo 14 de Apocalipse, o apóstolo João nos leva a contemplar essa cena crucial do grande conflito entre o bem e o mal. “Vi outro anjo” – diz o profeta – “voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a terra, e a cada nação, tribo, língua, e povo.” (Apocalipse 14:6).

  • Quem é esse anjo e a quem simboliza?

Ao longo de todo o livro do Apocalipse são mencionados muitos anjos. Dessa vez João vê outro anjo. Este “anjo” ou “mensageiro” representa, segundo os comentaristas bíblicos, “os servos de Deus empenhados na tarefa de proclamar o evangelho”.1 Afinal de contas, a missão de pregar o evangelho foi dada por Jesus aos discípulos antes de o Mestre partir.” (Marcos 16:15 e 16). Quer dizer que, hoje, existe neste mundo um povo especial, com uma mensagem especial para ser dada aos moradores da Terra.

A mensagem que essas pessoas proclamam é a seguinte: “Temei a Deus e dai-Lhe glória, pois é chegada a hora de Seu juízo.” (Apocalipse 14:7). Essa mensagem é de suma importância porque é o anúncio do dia do acerto de contas: finalmente chegou a hora do julgamento. Quando o juízo findar, todo o Universo saberá sem sombras de dúvidas quem estava com a razão: Satanás ou Cristo. Lá nos céus, muito tempo atrás, Lúcifer acusou a Deus de ser tirano, arbitrário e cruel. Acusou-O de estabelecer princípios de vida que nenhuma criatura poderia cumprir e, portanto, de não merecer mais adoração nem obediência. Mas agora chegou o momento do veredicto final. A História encarregou-se de acumular as provas. Os livros serão abertos, e o juízo começará.

A Bíblia está cheia de afirmações que confirmam a existência de um juízo para a raça humana. Observe algumas delas:

  1. “Porque Deus há de trazer a juízo todas as obras, até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más.” (Eclesiastes 12:14)
  2. “Porquanto [Deus] estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça…” (Atos 17:31)
  3. “Porque importa que todos nós compareçamos ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou mal que tiver feito por meio do corpo.” (II Coríntios 5:10)

Mas a grande pergunta é: Quando acontece o juízo? Como saber o tempo exato em que esse julgamento terá início? Se nosso destino eterno está em jogo, não deveríamos preocupar-nos por estudar a profecia a fim de estar preparados para aquele dia?

O Dia do juízo

Para compreender as profecias do Apocalipse é preciso conhecer bem o Velho Testamento. Isso porque, no Apocalipse, muitos detalhes proféticos do Velho Testamento cobram sentido. No Apocalipse está o maravilhoso final da história que começa no Gênesis. Portanto, para saber quando começa o juízo que o Apocalipse menciona, é preciso rever, na história bíblica, quando se realizava o juízo em Israel, o povo de Deus no Velho Testamento.

Segundo o Mishná, que é a coleção dos escritos judeus, o juízo de Israel começava no primeiro dia do sétimo mês, com a Festa das Trombetas, e terminava no décimo dia, com a Cerimônia da Expiação. Até hoje esse dia é denominado “Yom Kippur“, que significa literalmente “dia do juízo”.2 Nesse dia, cada verdadeiro israelita renovava sua consagração a Deus e confirmava seu arrependimento, ficando, assim, perdoado e limpo. (Levítico 16:30)

Nesse dia, também, o sumo sacerdote de Israel efetuava a limpeza ou purificação do santuário, com sacrifícios de animais. Note agora o que a Bíblia diz a esse respeito: “Era necessário, portanto, que as figuras das coisas que se acham nos Céus se purificassem com tais sacrifícios; mas as próprias coisas celestiais, com sacrifícios a eles superiores. Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém, no mesmo Céu, para compadecer, agora, por nós, diante de Deus.” (Hebreus 9:23 e 24).

Um santuário no Céu e o juízo

Se você analisar com cuidado essa declaração bíblica, chegará à conclusão natural de que existe um Santuário lá nos Céus e que o santuário terreno do povo de Israel era apenas uma figura do verdadeiro que está nos Céus. Bom, se o dia da purificação do santuário de Israel era o dia do juízo para aquele povo, está claro que o dia da purificação do Santuário Celestial será também o dia do juízo da humanidade. Mas quando acontecerá isso? Se descobrirmos essa data, teremos descoberto a data do início do julgamento do planeta em que vivemos. Não é fascinante?

Agora vem algo que surpreende: a Bíblia contém uma profecia quase desconhecida pela humanidade (se você tiver uma Bíblia em casa, é só conferir). Essa profecia esta registrada em Daniel 8:14, e diz assim: “Até duas mil e trezentas tardes e manhãs e o santuário será purificado.” Essa profecia não pode se referir à purificação do santuário de Israel, porque essa purificação era realizada a cada ano. Aqui está falando necessariamente da purificação do Santuário nos Céus. E isto é confirmado pela própria Bíblia (Hebreus 9:25 e 26). Isso que dizer que, se descobrimos quando termina essa profecia, teremos descoberto o dia da purificação do Santuário Celestial, ou seja, o dia do juízo dos seres humanos.

Enquanto Daniel orava pedindo que Deus lhe revelasse o significado da profecia, o anjo apresentou-se novamente ao profeta, dizendo: “No princípio das tuas súplicas, saiu a ordem, e eu vim para to declarar, porque és mui amado; considera, pois, a palavra, e entende a visão… Sabe e entende, que desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém até o Ungido, o Príncipe, haverá sete semanas e sessenta e duas semanas… E ele fará um pacto firme com muitos por uma semana; e, na metade da semana, fará cessar o sacrifício.” (Daniel 9:23 a 27).

Nesse texto estão contidos dados necessários para entender a profecia. Com essa declaração bíblica podemos estabelecer o seguinte diagrama: (primeiro leia os pontos explicativos e depois olhe para o diagrama).

  1. Perceba que o período profético de 2300 anos começa quando saiu “a ordem para restaurar e edificar Jerusalém”. (Daniel 9:25; Esdras 7:7 e 11; Esdras 7:21 e 22). E a História registra que essa ordem foi dada pelo rei Artaxerxes, da Pérsia, no ano 457 a.C. Este é, então, o ano do início do período profético.
  2. A profecia diz que, do ano 457 a.C. “até o Ungido Príncipe” (ou seja, o batismo de Jesus), haveria “sete semanas e sessenta e duas semanas”. Esse total de 69 semanas, em linguagem profética, equivale a 483 anos, o que nos leva ao ano 27 d.C., data em que historicamente realizou-se o batismo de Jesus. Até aqui a profecia tem-se cumprido com exatidão.
  3. A profecia fala de uma semana a mais (sete dias proféticos = sete anos), que nos leva do ano 27 d.C. até o ano 34 d.C., quando o apóstolo Estevão foi apedrejado pelo povo judeu e, com isso, o tempo de Israel estava acabado. “Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo” (Daniel 9:24), tinha dito o anjo ao explicar a profecia para Daniel. Isso também se cumpriu com exatidão.
  4. A profecia afirma que, na metade dessa última semana – que nos leva ao ano 31 d.C. – “fará cessar o sacrifício”. Noutras palavras, Jesus morreria na cruz e já não seria mais necessário o sacrifício de animais que Israel realizava. A História registra que, exatamente no ano 31 d.C., Jesus foi morto, e você pode ver mais uma vez como a profecia se cumpriu de maneira extraordinária.
  5. Até aqui, tudo aconteceu como estava previsto. A profecia foi dada a Daniel por volta do ano 607 a.C. e, séculos depois, tudo se cumpriu ao pé da letra.
  6. Agora me acompanhe no raciocínio. Se, depois do período de 70 semanas (490 anos) continuarmos contando o tempo, concluiremos que o período de 2300 anos termina em 1844. Quer dizer que, naquele ano, segundo a profecia, o Santuário Celestial seria purificado, ou seja, começaria o grande julgamento da raça humana.

2300 anos

  • 457 a.C. – Emissão da ordem para reconstruir Jerusalém (Esdras 7:11 e 12).
  • 408 a.C. – Jerusalém reconstruída e o Estado judeu restaurado.
  • 27 d.C. – Batismo de Jesus (Mateus 3:13 a 17).
  • 34 d.C. – Morte de Estevão (Atos 7:54 a 60); a Igreja é perseguida (Atos 8:1 a 3) e o Evangelho é levado aos gentios (Atos 13:44 a 48).
  • 1844 – Início do Juízo Investigativo (Daniel 8:14; Apocalipse 3:7 e 8).

Vivendo em pleno juízo

Isso é algo surpreendente e de solene significado. A humanidade não pode viver este milênio sem saber que o juízo divino começou. Este não é um assunto para o futuro. Segundo a profecia, foi a partir de 1844 que o destino dos homens começou a ser definido, e milhões de pessoas no mundo ignoram essa verdade. Por isso o Apocalipse declara que era necessário levantar-se um anjo “voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a terra, e a toda nação, tribo, língua, e povo, dizendo em grande voz: temei a Deus e dai-Lhe glória, pois “É CHEGADA A HORA DE SEU JUÍZO“.

Perceba que o anjo voa. Isso é urgente. Voar significa rapidez. Não há mais tempo a perder. Perceba que a mensagem é dada em alta voz. Isso não pode ser ignorado por mais tempo. Precisa ser proclamado em toda a Terra e para todos os seres humanos. E, finalmente, perceba que este evangelho é eterno. Não é nada novo; algo que foi inventado por alguém. Trata-se da história do maravilhoso amor de Deus pelos seres humanos.

Infelizmente, o juízo, por algum motivo, é mal compreendido pela humanidade. Muitos confundem o juízo divino com os flagelos e catástrofes que acontecerão antes da volta de Cristo, e que também estão profetizados no Apocalipse. Só que aqueles flagelos são parte da sentença. Eles são resultado do juízo. Não é juízo. A prisão ou pena de morte, por exemplo, não é o juízo da pessoa, mas a condenação. Juízo é o processo pela qual se considera o caso: existe um juiz, um advogado, um promotor de acusação, testemunhas e provas.

Veja como o profeta Daniel descreve o juízo celestial: “Continuei olhando, até que foram postos uns tronos, e o Ancião de dias Se assentou; Sua veste era branca como a neve, e os cabelos da cabeça, como a lã pura… um rio de fogo manava e saía de diante dEle. Milhares e milhares O serviam, e miríades e miríades estavam diante dEle; assentou-se o tribunal, e se abriram os livros.” (Daniel 7:9 e 10) Note, aí estão o Juiz e também os livros.

Agora confira como o juízo é descrito pelo Apocalipse: “E olhei, e eis não somente uma porta aberta como também a primeira voz que ouvi dizendo: sobe para aqui, e te mostrarei o que deve acontecer depois destas coisas.” (Apocalipse 4:1). Depois de que coisas? Depois que a porta for aberta, claro. E quando é que a porta foi aberta?

Uma porta aberta em 1844

No santuário de Israel, a porta que levava do lugar santo ao lugar santíssimo, era aberta a cada ano, no Dia da Expiação (que era o dia do juízo). Com relação ao Santuário Celestial é dito que:

  • “Pois Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, mas no próprio Céu, para agora comparecer por nós perante a face de Deus; nem também para Se oferecer muitas vezes, como o sumo sacerdote de ano em ano entra no santo lugar com sangue alheio. Ora, neste caso, seria necessário que Ele tivesse sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo; agora, porém, ao se cumprirem os tempos, Se manifestou uma vez por todas, para aniquilar, pelo sacrifício de Si mesmo, o pecado.” (Hebreus 9:24 a 26)

(Assim, a oportunidade de Salvação ainda está aberta a todos, inclusive para você! Só que ela acabará quando cristo deixar o Lugar Santíssimo. O evento histórico que marcará isso são a queda das 7 pragas (AP 16). O Espírito Santo sempre tem razão, hoje é o dia de se decidir por Cristo, Hoje é o dia da sua, da nossa salvação. Porque amanhã Cristo poderá ter deixado de ser advogado e será apenas juíz e aí não haverá mais oportunidade de salvação para ninguém!). Veja abaixo o cronograma geral do juízo:

1844 Juízo Pré-Advento………………………………….Término do Juízo………………… 7 Pragas……..Volta de Jesus.


Referências:

Alejandro Bullón, O Terceiro Milênio e as Profecias do Apocalipse, 1.ª ed., 1998, pág. 29.

1. Seventh-Day Adventist Bible Comentary, vol.7, pág. 827.

2. The Jewish Encyclopedia, vol. 2, pág. 281.

Para saber mais veja a página:

Analisando Hebreus 9:12: Jesus Entrou no Lugar Santo ou Santíssimo?

Anúncios
Esse post foi publicado em Santuário e Juízo Investigativo e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

13 respostas para O Juízo Pré-Advento do Santuário Celestial

  1. Pingback: O Santuário Celestial « Adventismo em Foco

  2. Carlos Alberto disse:

    Gostaria de que revessem Hebreus 9:11,12, principalmente no vs.12, onde se afirma que Jesus entrou no santo dos santos uma vez por todas, havendo obtido uma eterna redenção. Penso que se é assim, logo após sua ascensão aos céus, entrou logo no santíssimo e não só em 1844.
    Peço consideração em me responderem se estou certo ou errado com este meu entendimento das escrituras, pois, Isaías 8:20 me diz que só devo crêr nas Escrituras.

  3. IASD disse:

    Carlos Alberto

    Se vc acredita na Biblia deveria rever seus conceitos sobre pertencer a uma igreja dominical, pois isso contraria os 10 mandamentos que exaltam o sábado (Exodo 20). Agora responderei sua pergunta. A tradução de João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada de Hebreus 9:12 afirma que Jesus entrou no Lugar Santíssimo por ocasião de sua ascenção aos Céus. Esta edição da Almeida se enganou em sua tradução do grego. Podemos citar outras traduções que não fazem desta maneira:

    A Edição em Espanhol Reina Valera afirma:

    Hebreus 9:12: Y no por sangre de machos cabríos ni de becerros, mas por su propia sangre, entró una sola vez en el santuario, habiendo obtenido eterna redención.

    A tradução mais exaltada da lingua inglesa, a King James, afirma que Jesus entrou no Lugar Santo:

    Hebreus 9:12: Neither by the blood of goats and calves, but by his own blood he entered in once into the holy place, having obtained eternal redemption for us.

    A tradução Italiana de Giovanni Diodati (1649) afirma:

    Hebreus 9:12: e non per sangue di becchi e di vitelli; ma per lo suo proprio sangue, è entrato una volta nel santuario, avendo acquistata una redenzione eterna.

    A própria João Ferreira de Almeida Atualizada, afirma:

    Hebreus 9:12: e não pelo sangue de bodes e novilhos, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez por todas no santo lugar, havendo obtido uma eterna redenção.

    A Tradução das Testemunhas de Jeová (Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas de 1986) dizem:

    Hebreus 9:12: ele entrou no lugar santo, não, não com o sangue de bodes e novilhos, mas com o seu próprio sangue, de uma vez para sempre e obteve [para nós] um livramento eterno.

    A maior prova, no entanto, vem das traduções católicas que foram feitas por pessoas que passaram a vida estudando grego e latim:

    A Bíblia AVE MARIA diz

    Hebreus 9:12: sem levar consigo o sangue de carneiros ou novilhos, mas com seu próprio sangue, entrou de uma vez por todas no santuário, adquirindo-nos uma redenção eterna.

    A Bíblia da CNBB

    Hebreus 9:12: Ele entrou no Santuário, não com o sangue de bodes e bezerros, mas com seu próprio sangue, e isto, uma vez por todas, obtendo uma redenção eterna.

    The New American Bible (Católica)

    Hebreus 9:12: he entered once for all into the sanctuary, not with the blood of goats and calves but with his own blood, thus obtaining eternal redemption.

    A Revised Standart Version diz:

    Hebreus 9:12: he entered once for all into the Holy Place, taking not the blood of goats and calves but his own blood, thus securing an eternal redemption.

    A Bíblia Latino Americana

    Hebreus 9:12: Y no fue la sangre de chivos o de novillos la que le abrió el santuario, sino su propia sangre, cuando consiguió de una sola vez la liberación definitiva.

    Como você pode ver as traduções de Hebreus 9:12 constam que Jesus entrou no LUGAR SANTO ou no SANTUÁRIO. A razão é simples, quando se entra no Santuário o primeiro compartimento é o lugar santo. A Tradução Almeida Revista e Atualizada no Brasil está errada como mostra as demais edições internacionais, com destaque para a King James, que é exaltada por todas as igrejas dos países de fala inglesa. O testemunho das Bíblias católicas e da Bíblia das testemunhas de jeová é deveras interessante pois estas igrejas não possuem uma doutrina do Santuário e não sabem que Jesus apenas entrou no lugar santíssimo 18 séculos depois de sua ascenção.

    Deus te abençõe!

  4. leopoldino ferreira disse:

    Por favor, gostaria de saber onde se encontram as referências que transformam ou fazem a equivalência entre dias e anos.

  5. jrmao2010 disse:

    A referência dia-ano está em Ezequiel 4:6-7

    Daniel e Apocalipse também faz essa referência, veja:

    “…Um tempo, dois tempos e metade de um tempo” (Daniel 7:25). Totaliza 3 tempos e meio que é o mesmo que 3 anos e meio

    Agora analise: 3 anos e meio equivale a 42 meses visto que um dia vale um ano (Ezequiel 4:6-7) dessa maneira encontramos 42 meses (3,5 X 12 meses do ano). E esses 42 meses equivalem a 1260 dias (42 x 30 dias que é o número básico de dias do mês)

    Em apocalipse 12:6 narra que a igreja ( mulher) seria perseguida por 1260 dias proféticos, que significam 1260 anos literais. Esse foi o periodo de perseguição da igreja romana.

    Note que Daniel 7:25 também fala desse mesmo periodo de perseguição, mas em linguagem prófética, veja em sua bíblia:

    3 anos e meio = 42 meses = 1260 dias = 1260 anos

  6. Pingback: Santuário Celeste: Jesus entrou na presença do Pai apenas em 1844? | Adventismo em Foco

  7. Pingback: O Santuário Celestial | Estudos Bíblicos Adventistas

  8. Sou católico, e li com minúcia as informações aqui aprensentadas, procurei saber por gostar de ver canais cristãos, entre eles o n8vo tempo, a partir daí, por não entender certos contextos argumentativos do programa biblia facil, vim me inteirar da doutrina para obter um entendimento. Sou eucumenico e acredito que o importante é o que nos uni, e não o que nos separa, neste caso, o amor misericordioso de Cristo. Nesse contexto, e muito mais por curiosidade pessoal, gostaria de entender a relevancia dos pontos que nos separam como doutrina:
    Percebi que vocês guardam o sábado, e como nao participo da religião não tive certeza se não guardam o domingo, ou guardam os dois?
    Compreendi que o calculotem fundamento como teoria, e respeito, pois se trata de fé, que é muito importante, e gostei muito, pois realmente em no nivel leigo, a igreja catolica não tem tantos detalhes, principalmente dos rituais israelitas, contudo e colocando todas outras observancias que guardei, penso que de uma maneira mais abrangente tudo isso não se resume no amor que Cristo nos deu e deixou como exemplo, e que concordamos que, indiferente de prazos e datas, ou sabados e domingos, salvo pessoas que como eu gostam de es4udar esse tipo de coisa, o que importa e resume tudo isso é viver o amor de Cristo? Se seguirmos os passos dele, indiferente da época de julgamento ou não, não é verdade que dará no mesmo? Acho que o estudo da biblia, com certeza aproxima e nos alerta sobre a salvação, mas seu principal dever é nos fazer ap4oximar de Deus? Gostaria de entender melhor a missão desta religião, pois me pareceu mais um alerta que a aproximação em si.

    Peço desculpas, não quero ser qualquer coisa, além de curioso e eucumenico.
    Aguardo…
    Abç!

  9. Ps: escrevi do celular, o texto nao ficou muito bom, mas da pra entender eu acho.
    ” tipo de coisa”= tipo de assunto.
    E so quero na verdade entender porque não nos entendermos com nossas diferenças, unidos pelo que nos é incomum, Cristo. Em resumo essa é a minha pergunta. Vejo muitas religiões em Cristo que não mudam em quase nada a sua doutrina, siplesmente querem falar de seu jeito, sendo que o jeito é o mesmo, Cristo! Vejo erro na minha igreja como em todas as outras, e todas tem apenas uma verdade absoluta, Cristo.
    Ps: ja ia esquedendo, percebi pela explicação que vocês não adreditam na trindade como una, gostaria também de entender esse ponto, partindo do ponto de vista que lemos a mesma biblia e a maioria das religioes Cristãs tem essa interpretação de unidade substancial.
    Abç

  10. IASD disse:

    Oá Bruno, nossa missão é anunciar a volta de Jesus com milhões de anjos nas nuvens do Céu. Cremos que o sábado é o dia santo, não o domingo. Veja mais no nosso site oficial.
    http://adventistas.org/pt/institucional/crencas/

  11. IASD disse:

    Oá Bruno, nossa missão é anunciar a volta de Jesus com milhões de anjos nas nuvens do Céu. Cremos que o sábado é o dia santo, não o domingo. Veja mais no nosso site oficial.
    http://adventistas.org/pt/institucional/crencas/

  12. E a respeito da trindade, porque Jesus é apenas “tipo sindico” como no exemplo vosso?

  13. IASD disse:

    Bruno, cremos na Trindade como você pode ler no Livro NISTO CREMOS que é gratuito na Internet. Faça download abaixo>
    http://www.cpb.com.br/arqs/nc/NC.pdf

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s