Poema: carnaval

​Carnaval! Empolgante Carnaval!

Festa vibrante! Festa colossal!

Festa de todos: de plebeus e nobres,

Que iguala, nas paixões, ricos e pobres.

Festa de esquecimento do passado,

De térreo paraíso simulado…
Falsa resposta à voz do coração

De quem não frui de Deus comunhão,

Festa da carne em gozo desbragado,

Festa pagã de um povo batizado,
Festa provinda de nações latinas

Que se afastaram das lições divinas.

Ressurreição das velhas bacanais,

Das torpes lupercais, das saturnais
Reino de Momo, de comédias cheio,

De excessos em canções e revolteio,

De esgares, de licença e hilaridade,

De instintos animais em liberdade!
Festa que encerra o culto sedutor

De Vênus impúdica em seu fulgor.

Festa malsã, de Cristo a negação,

Do “Dia do Senhor” profanação.
Carnaval!Estonteante Carnaval!

Desenvoltura quase universal!
Loucura coletiva e transitória,

Deixa do prazer lembrança inglória,

Festa querida, do caminho largo,

De início doce, mas de fim amargo…
Festa de baile e vinho capitoso,

Que morde como ofídio venenoso,

Que tira do homem sério o nobre porte,

E gera o vício, o crime, a dor e a morte.
Carnaval!Vitando Carnaval!

Festa sem Deus!Repúdio da moral!

Festa de intemperança e gasto insano!

Trégua assombrosa do pudor humano,
Que solta a humana besta no seu pasto:

O sensualismo aberto mais nefasto!

Festas que volve às danças do selvagem

E do africano, em fúria, lembra a imagem,
Que confunde licença e liberdade

Nos aconchegos da promiscuidade

Sem lei, sem norma, sem qualquer medida,

Onde a incauta inocência é seduzida,
Onde a mulher, às vezes, perde o siso

E o cavalheiro austero o são juízo;

Onde formosas damas, pela ruas,

Exibem, saltitando, as formas suas,
E no passo convulso e bamboleante,

Em requebros de dança extravagante,

Ouvem, no “frevo” , as chufas e os ditados

Picantes, de homens quase alucinados,
De foliões audazes, perigosos,

Alguns embriagados, furiosos!

Muitos, tirando a máscara, em tais dias,

Revelam, nessas loucas alegrias,
A vida que levaram mascarados

Com a máscara dos homens recatados…

Carnaval!Perigoso Carnaval!

Que grande festa e que tremendo mal!
Brasil gigante, atenção! Atenção!

O Carnaval é festa de pagão!

Repele-o! Que te traz só dor e morte!

Repele-o! E inspira em Deus a tua sorte!”
(Jerônimo Gueiros) (1880-1954)

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s