Opus Dei – A sociedade secreta infiltrada em Jornais e Revistas

opus dei

A OPUS DEI, tem segundo suas próprias declarações, membros que trabalham em mais de 600 jornais, revistas e publicações científicas espalhadas pelo mundo. Tem outros em mais de 50 estações de rádio e televisão. O número de membros é estimado em 90 mil [em 2006], mas escolhidos por sua posição de riqueza e influência sobre as pessoas.

Seu falecido fundador, ESCRIVÁ graças a uma doação de 750 mil dólares, conseguiu a beatificação em 1992 e a canonização em 2002.

Em setembro de 2004 quando a revista portuguesa VISÃO publicou m artigo criticando a OPUS DEI foi inundada de cartas hostis e ameaçadoras. Pouco tempo depois os escritórios da revista se incendiaram misteriosamente. Desde então a VISÃO aparece ter desistido de criticar a OPUS DEI.

Em campus universitários ou em cidades próximas a eles, a OPUS DEI estabeleceu residencias que funcionam como centros de recrutamento. Seus alvos são jovens adolescentes que saem de casa pela primeira vez. Quando ele ou ela se une a OPUS DEI é afastado da família e dos amigos. Uma regra estrita é que toda correspondência seja lida primeiro por um membro sênior com poder de decidir que ela seja ou não lida pelo universitário. O staff das universidades de Princeton e Stanford tem um registro detalhado da pressão que os padres da OPUS DEI impõem aos alunos do primeiro ano, incluindo perguntas sobre suas atividades sexuais, coerção constante para se confessarem, instruções sobre que cursos fazer e que professores evitar [os professores protestantes, claro].

O ex membro Tammy DiNocala disse: “É basicamente uma opção só. Se você não aceita, não vai ter a graça de Deus pelo resto da vida”.

A seita também tenta manter seus membros aconselhando que jornais ler, que estações de rádio ouvir, que TVs assistir, que livros ler.

A ex membro Maria Carmen del Tapia, membro por quase 20 anos, foi durante 6 anos secretária pessoal do fundador, ESCRIVÁ e foi a primeira assessora de imprensa da OPUS DEI, em Roma. Em 1956 ela foi enviada a Veneza como diretora do conselho das mulheres regional. Lá permaneceu por quase 10 anos até ser chamada em Roma por Escrivá. Quase um mês depois foi acusada de várias quebras de disciplina, mais especificamente por permitir que as mulheres escolhessem o padre que iriam se confessar. Desse dia em diante ficou presa em casa por 5 meses e privada de todo contato com o mundo exterior. Os jogos mentais, os interrogatórios e as crueldade contínua, particularmente os insultos e a constante repetição de que ela era uma pessoa inútil é contado com clareza em seu livro TRAS EL UMBRAL – UNA VIDA EM EL OPUS DEI (Un Viaje al fanatismo).

Quando o Vaticano anunciou a beatificação de ESCRIVÁ em 1991, Maria ficou espantada e escreveu ao Papa: ” A vida do monsenhor José Maria Escrivá de Balaguer que eu testemunhei durante muitos anos não foi admirável e nem digna de ser imitada”. O cardeal Ratzinger reconheceu o recebimento de 2 cartas, mas do Papa João Paulo II ela nada ouviu. Na corrida pelo processo de beatificação apareceram artigos favoráveis a Escrivá, claramente feitos por jornalistas filiados a OPUS DEI.

O escritor espanhol Jesús Ynfante em seu livro La prodigiosa aventura de la Opus Dei, cita a constituição da sociedade secreta de 1950 que diz:

Art. 189: “Para atingir seus objetivos de modo mais eficiente, o instituto (Opus Dei) deve viver uma existência oculta.

Art. 190: “Devido à (nossa) humildade coletiva, que é própria de nosso instituto, o que quer que seja realizado pelos membros não deve ser atribuído a ele, mas apenas a Deus. Consequentemente, mesmo o fato de ser um membro do instituto não deve ser revelado externamente, o número de membros deve permanecer secreto e mais expressamente, nossos membros não devem discutir essas questões com ninguém fora do instituto”.

A ideologia da Opus Dei não reconhece a liberdade de consciência e não respeita o princípio de igualdade. O Dr. John Roche, conferencista da Universidade de Oxford e ex membro a descreveu como “sinistra, secreta e Orwelliana”.

Fonte: David Yallop O Poder e a Glória páginas 498-509.

_______________________

Mas nada há encoberto que não haja de ser descoberto; nem oculto, que não haja de ser sabido. Porquanto tudo o que em trevas dissestes, à luz será ouvido; e o que falastes ao ouvido no gabinete, sobre os telhados será apregoado.  Lucas 12:2-3.

Portanto, não os temais; porque nada há encoberto que não haja de revelar-se, nem oculto que não haja de saber-se.
O que vos digo em trevas dizei-o em luz; e o que escutais ao ouvido pregai-o sobre os telhados. Mateus 10:26-27.

________________

O jornalista Roberto Cabrini ainda afirma que o Opus Dei é igual a maçonaria e que estende tentáculos invisíveis da sociedade no Brasil e no mundo: juízes, políticos, jornalistas.
“Eles ameaçam, intimidam, corrompem e até matam e eu recebi diversas ameaças revela Cabrini”. Afirma que eles tentaram de toda maneira evitar que sua matéria fosse ao ar, pressionando os patrocinadores e o diretor da emissora:

Esse post foi publicado em OPUS DEI, Primeira Besta: Papado e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Opus Dei – A sociedade secreta infiltrada em Jornais e Revistas

  1. Caríssimo, acho que não é bem assim não apenas 100% diferente, a verdadeira opus não pertence a igreja nenhuma e possui apenas 297 membros espalhados pelo planeta, há muitas pessoas que se denominam opus, mais não são! Tem outras entidades com o nome Opus Dei, mais a verdadeira ordem exite a mais de 1000 anos. Os membros são numerados de 1 à 297, divididos em 37 grupos de 8 e 1 grão mestre.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s